Diretor

O ato de brincar cria laços e memórias afetivas para toda a vida

No mês passado celebramos o Dia das Crianças e para tratar da importância que as brincadeiras têm na infância, decidimos abordar neste mês um tema sério e que independente de datas, tem um grande valor para as crianças: o brincar.

Segundo pesquisadores da área, o ato de brincar é uma necessidade que acompanha as crianças desde o nascimento. Há quem acredite que isso ocorra até antes, já que durante o ultrassom é possível ver os bebês brincando com os pés, levando as mãos à boca etc. Com isso, é correto dizer que o ato de brincar começa na gestação.

Além de ser uma forma de diversão e de passar o tempo, o brincar é uma importante ferramenta de aprendizado e acaba se tornando uma forma de se relacionar e ter novas descobertas sobre o mundo e o ambiente ao redor.

Toda brincadeira é benéfica e as crianças precisam ter um tempo dedicado a essa atividade, fundamental para o desenvolvimento físico, mental, emocional e social.

Reconhecendo os benefícios promovidos pelo livre brincar, todas as atividades da Educação Infantil em nosso Colégio são permeadas de muitas brincadeiras. Temos um espaço interativo, seguro e próximo da natureza para tornar o ato de brincar ainda mais agradável para nossos alunos. As atividades de aprendizagem para essa faixa etária são cuidadosamente idealizadas para que se tornem momentos lúdicos e interativos também, pois entendemos que o aluno precisa desenvolver autonomia desde cedo.

Além de promover o brincar durante as atividades pedagógicas, acreditamos que é dever da escola também incentivar as famílias para que brinquem com seus filhos em suas casas, pois, além de ser excelente para o desenvolvimento infantil, as brincadeiras criam vínculos e aproximam ainda mais pais e filhos, proporcionando momentos de convivência imprescindíveis.

Por isso, listamos algumas brincadeiras que podem ser realizadas em família, afinal os adultos não só podem como devem brincar também!

Memória dos objetos

Essa atividade é para exercitar a memória. Objetos da cozinha, do quarto ou os próprios brinquedos podem ser usados. Separe 10 objetos e fale para a criança observá-los por um tempo determinado. Os pais são os responsáveis por tirar um e deixar a criança descobrir qual deles sumiu. Os papéis também podem se inverter e a criança comandar a brincadeira e alterar o lugar dos objetos.

Acampamento

Podem ser usadas barracas de verdade ou improvisadas com cadeiras, lençol, almofadas e outros elementos de decoração da casa. O lugar do camping escolhido pode ser a sala ou o quarto da criança, e todos podem ajudar a montar as barracas.

Teatro de fantoches

No teatro de fantoches, quem comanda o espetáculo é a criatividade. Os atores podem ser bonecos confeccionados ou até meias customizadas. Os adultos podem começar a contar a história. Depois, as posições se invertem e as crianças criam novas versões da narrativa, personagens etc.

Piquenique

Você pode inventar a noite do piquenique. Nesse dia, o jantar será diferente! Estenda uma toalha no chão da sala e convide todo mundo para comer ali mesmo. O cardápio pode ser escolhido junto com a criança, que também pode ajudar na preparação dos alimentos.

Caixa surpresa

Você escolhe algum objeto (ou vários) e coloca dentro de uma caixa. Comece a dar dicas sobre o objeto, por exemplo, se for uma bola, fale que tem formato de círculo e vá dando outras dicas até a criança descobrir o que está dentro da caixa.

Telefone sem fio

Reúna seus filhos e os amiguinhos em um círculo e diga uma palavra no ouvido de um deles que precisa ser transmitida dessa mesma forma para o próximo, até chegar em você novamente, muitas vezes diferente. Quanto mais pessoas brincando, mais engraçada fica a brincadeira.

Com isso, esperamos que sempre que tiverem a oportunidade, as famílias dediquem um tempo para brincar com suas crianças. Experimente tornar o ato do brincar junto um hábito, você verá que todos ganham e criará laços ainda mais fortes com seu filho ou filhos, sem contar que as memórias das brincadeiras jamais serão esquecidas!

Prof. Dr. GEZIO D. MEDRADO – Diretor Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *